As 5 Solas da Reforma Protestante

5 Solas da Reforma Protestante

2022 será um ano diferente para você e seu ministério… Faça como mais de 25 mil irmãos do Brasil e de outros países que estão participando de um seleto grupo de profundos entendedores da Palavra de Deus e que alcançaram aprovação e reconhecimento ministerial… Você também deseja alcançar estes resultados? Clique aqui e saiba mais!

A- A+

Na Idade Média, o culto às relíquias, e outros elementos como suposto meio de graça, cresceu e tomou proporções incríveis. “Era possível comprar cera dos ouvidos e leite da Virgem Maria, estrume do burro do estábulo de Belém, os de cabelo e da barba do Salvador” (Martin Dreher). A Reforma fundamentou-se em cinco pilares (5 Solas), que são as bases da genuína fé evangélica, vitais para a saúde espiritual da igreja.

Numerosas pesquisas indicam analfabetismo bíblico e teológico generalizado. Numerosos cristãos professos não entendem o conteúdo das Escrituras. Aqueles que leram a Bíblia muitas vezes não têm ideia do que ela significa e como as várias partes se encaixam. Um estudo recente, indica que uma grande porcentagem de cristãos professos involuntariamente têm pontos de vista sobre a Trindade, Jesus Cristo, o pecado e a salvação que são tecnicamente heréticos.

Não estamos em um bom lugar, mas não somos os primeiros a estar nessa posição. O povo de Israel esqueceu o passado com consequências desastrosas. A igreja medieval esqueceu o passado com consequências desastrosas. Mas o que você faz quando percebe que tomou o caminho errado em algum lugar ao longo de sua jornada? Você volta e busca encontrar o caminho correto. Não devemos ver o passado como algo que se foi e, portanto, inútil. Devemos olhar para o passado mais como alguém no segundo andar de um edifício olha para a fundação. A fundação foi construída antes da estrutura remanescente. Foi construído no passado. Mas a base não é algo que pode ser descartado sem resultados catastróficos.

Vamos examinar brevemente alguns dos antigos caminhos, algumas doutrinas fundamentais – a saber, os cinco solas da Reforma (Sola Scriptura, Sola Fide, Sola Gratia, Solus Christus, Soli Deo Gloria ). Quando a igreja medieval se perdeu, a redescoberta dessas doutrinas fundamentais durante a Reforma ajudou a igreja a recuperar o equilíbrio.

1º Sola: Sola Scriptura

O que queremos dizer quando afirmamos que acreditamos na Sola Scriptura , ou somente nas Escrituras? Como todos os solas, um entendimento adequado da doutrina requer uma certa quantidade de contexto – histórico e teológico. Em primeiro lugar, precisamos entender que a doutrina da Reforma da Sola Scriptura surgiu no contexto da Igreja Católica Romana da Idade Média tardia e seus ensinamentos. Foi uma resposta ao erro percebido no ensino da igreja. Então, o que os reformadores consideraram questionável?

A disputa com Roma não era sobre a inspiração ou inerrância das Escrituras. Roma afirmou ambas as doutrinas. O problema, em vez disso, era devido ao fato de que, ao longo de muitos séculos, Roma havia gradualmente adotado uma visão da relação entre a igreja, a Escritura e a tradição que efetivamente colocava a autoridade final em algum lugar diferente de Deus. A tradição foi concebida como uma segunda fonte de revelação, e o papa e o magistério romano foram vistos como a autoridade final em questões de fé e prática.

Os Reformadores queriam chamar a igreja de volta a uma visão da relação entre as Escrituras e a tradição que era encontrada na igreja primitiva. Eles acreditavam que a própria Bíblia ensinava tal ponto de vista. A doutrina da Reforma do sola Scriptura, ou a doutrina da Reforma da relação entre Escritura e tradição, afirma que a Escritura deve ser entendida como a única fonte de revelação divina, a única norma inspirada, infalível, final e autorizada de fé e prática. Por quê? Porque a Escritura é “soprada por Deus” (2 Tm 3:16). Em outras palavras, o que a Escritura diz, Deus diz. Há, portanto, uma diferença ontológica básica entre as Escrituras (a Palavra de Deus) e quaisquer palavras das criaturas. A Escritura é metafisicamente única. A Escritura deve ser interpretada na e pela igreja, e deve ser interpretada dentro do contexto hermenêutico da regra de fé (At 15).

Entre os evangélicos, há um mal-entendido comum da Sola Scriptura que vê a Bíblia não apenas como a única autoridade final, mas como a única autoridade em geral. Em outras palavras, a igreja, os credos ecumênicos, as confissões de fé, são amplamente rejeitados, mesmo como autoridades secundárias. É a atitude “Nenhum credo senão Cristo” ou “Nenhum credo senão a Bíblia” tão prevalente na igreja hoje. Claro, aqueles que afirmam tais slogans não conseguem perceber que uma declaração como “Nenhum credo senão Cristo” é em si um credo – uma declaração de em quem alguém acredita.

Aqueles que defendem este mal-entendido da doutrina da Reforma muitas vezes não sabem que esta não é a visão da igreja primitiva e não é a visão dos Reformadores magisteriais. Eles tinham a Escritura como única autoridade final, mas também aceitavam outras fontes como sendo dignas de consultas, análises e aplicação prática na comunidade cristã, a exemplo dos escritos de teólogos reconhecidamente fiéis às Sagradas Escrituras.

O Sola Scriptura não significa afirmar que o cristão deve consultar, pesquisar e analisar única e exclusivamente as Escrituras na busca pelas respostas que necessita, mas ao analisar outras fontes, independentes de quais sejam, o veredito final sobre tais respostas sempre deve ser das Escrituras. São as Escrituras que devem “bater o martelo” sobre se tais respostas encontradas devem ou não serem aceitas pelo verdadeiro cristão.

2º Sola: Sola Fide

Muitas vezes referida como “a causa material” da Reforma, a doutrina da justificação Sola Fide (somente pela fé) foi um ponto chave do debate entre os reformadores protestantes e a Igreja Católica Romana no século XVI, e permaneceu um ponto de desacordo desde então. Martinho Lutero e seus seguidores expressaram a importância da doutrina da justificação pela fé somente ao ensinar que é “o artigo pelo qual a igreja permanece ou cai.” Lutero estava correto ao afirmar a importância central desta doutrina? Para responder a essa pergunta, devemos entender o significado da própria justificação, bem como as diferenças entre as doutrinas protestante e católica romana.

A doutrina católica romana da justificação é mais claramente expressa no Decreto sobre a Justificação, produzido na Sexta Sessão do Concílio de Trento em 1547. De acordo com este Decreto, os seres humanos caídos são “feitos justos” por meio da “pia da regeneração”. Em suma, a causa instrumental da justificação (ser feito justo) é o batismo. Diz-se que a justificação envolve a remissão de pecados e “também a santificação e renovação do homem interior.” A justificação não é somente pela fé, de acordo com o Concílio de Trento, porque a esperança e a caridade (isto é, o amor) devem ser acrescentadas.

Os reformadores rejeitaram a ideia de que justificação significa “fazer justo” por uma fé que não está só e que se realiza por meio do instrumento do batismo. Mas por que? Para responder a essa pergunta, devemos ter alguma compreensão das questões básicas referentes ao debate. O primeiro ponto a observar é que Deus é absolutamente justo e reto e Ele julgará o mundo com justiça. Então, qual é o problema disso? O problema é que, embora Deus seja perfeitamente justo e reto, nós não somos. Somos criaturas caídas, pecaminosas e injustas (Rm 3: 9–18). Isso levanta uma questão infinitamente séria para cada um de nós: Como posso eu, um pecador injusto, estar diante de nosso Deus infinitamente justo e santo no julgamento final?

Roma ofereceu uma resposta. Para que uma pessoa seja declarada justa por Deus, ela primeiro deve ser feitajusto por Deus. Como vimos acima, a justificação para Roma significa ser “feito justo”. O que segue é uma espécie de simplificação de uma doutrina muito mais complicada, mas em seu cerne, a doutrina romana da justificação inclui a ideia de santificação e renovação. A base da justificação, a base sobre a qual a declaração de justiça é feita, portanto, é uma justiça infundida. É uma graça que é infundida ou derramada em nossas almas. Se uma pessoa coopera com essa graça infundida, ela é renovada e santificada. A pessoa que coopera com a graça, portanto, tem uma justiça inerente. Pode-se perder esse estado de graça por causa do pecado mortal. No entanto, se isso acontecer, o sacramento da penitência é um meio pelo qual uma pessoa pode ser restaurada ao estado de justificação.

De acordo com os reformadores, havia sérios problemas com a doutrina romana. Em primeiro lugar, o padrão do julgamento de Deus é a justiça absolutamente perfeita (Mt 5:48). Ele não pode exigir menos sem negar a si mesmo e sua própria santidade. Uma pessoa não pode ser declarada justa e sobreviver ao julgamento de Deus, portanto, com base em nada menos do que perfeição. Desde a queda de Adão e Eva, entretanto, apenas um homem viveu uma vida de perfeita justiça, e esse homem é Jesus Cristo (Hb 4:15). Os Reformadores argumentaram, portanto, em oposição à ideia de Roma de infusão de uma doutrina de dupla imputação. Imputar algo significa reconhecê-lo legalmente. A doutrina da dupla imputação significa que nosso pecado é imputado a Cristo e Sua justiça é imputada a nós (2 Co 5:21).

Também é importante notar aqui que, para Roma, a justificação é pela fé, mas não somente pela fé. Para Roma, a fé é necessária, mas a fé não é suficiente. Lembre-se de que, para Roma, a causa instrumental da justificação é o batismo. Os reformadores argumentaram, ao contrário, que o único instrumento de justificação é a fé, e que mesmo essa fé é um dom de Deus. É pela graça (Rm 3:28; 5:1; Ef 2: 8).

A doutrina reformada da justificação é claramente expressa nas confissões e catecismos reformados clássicos dos séculos dezesseis e dezessete. O Catecismo Maior de Westminster, por exemplo, fornece uma declaração concisa da doutrina bíblica:

Pergunta 70: O que é justificação?

Resposta: A justificação é um ato da graça gratuita de Deus aos pecadores, no qual ele perdoa todos os seus pecados, aceita e considera suas pessoas justas aos seus olhos; não por qualquer coisa realizada neles ou por eles, mas apenas para a perfeita obediência e plena satisfação de Cristo, por Deus imputada a eles e recebida pela fé somente.

3º Sola: Sola Gratia

No início do século V, ocorreu uma controvérsia teológica que moldaria para sempre o pensamento da igreja. Em suas Confissões , Agostinho de Hipona escreveu na forma de uma oração as palavras: “Dê o que tu comandas e comanda o que tu queres.” O monge britânico Pelágio ficou chateado com essas palavras, acreditando que elas dariam aos cristãos uma desculpa para não obedecer a Deus. Pelágio acreditava que se Deus ordenasse algo, então o homem era naturalmente (sem a graça) capaz de fazê-lo. Ele acreditava que isso era possível porque ele também acreditava que o pecado de Adão afetou apenas Adão. Todos os seres humanos nascem no mesmo estado em que Adão nasceu, capaz de obedecer a Deus ou desobedecê-lo. Se eles obedecem, suas boas obras merecem a salvação. Caso contrário, eles merecem o castigo de Deus.

Agostinho, por outro lado, ensinou que o pecado de Adão impactou dramaticamente todos os seus descendentes. As igrejas reformadas seguiram Agostinho em sua rejeição ao pelagianismo. A Confissão de Fé de Westminster, por exemplo, tem uma explicação clara da doutrina do pecado original. Pelo pecado de nossos primeiros pais:

“Eles caíram de sua retidão original e da comunhão com Deus, e assim se tornaram mortos em pecado e inteiramente corrompidos em todas as partes e faculdades da alma e do corpo. Eles sendo a raiz de toda a humanidade, a culpa deste pecado foi imputada, e a mesma morte em pecado e natureza corrompida transmitida a toda a sua posteridade descendente deles pela geração comum. Desta corrupção original, por meio da qual estamos totalmente indispostos, incapacitados e tornados opostos a todo o bem, e totalmente inclinados a todo o mal, procedem todas as transgressões reais (VI.1-4).”

Desde a queda, todos os seres humanos nascem neste estado decaído com sua vontade (uma das faculdades da alma e do corpo) em escravidão ao pecado. Por causa da queda, nascemos espiritualmente mortos, incapazes de escolher ou desejar o bem (Rm 3:10-12; 5:6; Ef 2:1).

Embora o Pelagianismo tenha sido condenado como heresia em vários concílios, incluindo o terceiro concílio ecumênico em 431, ele levantou sua cabeça de várias formas desde então. No final do período medieval, a Igreja Católica Romana havia caído em um tipo de semipelagianismo. A justificação do pecador era vista como uma espécie de trabalho sinérgico e cooperativo entre Deus e o pecador. A doutrina de sola gratia foi a resposta protestante a isso.

A doutrina protestante de Sola Gratia é encontrado em todas as principais confissões reformadas. Está subjacente a tudo o que é dito sobre o estado do pecador caído, eleição, chamado, regeneração, conversão, justificação e muito mais. O ponto que os reformadores quiseram fazer no século dezesseis é o mesmo que Agostinho fez no quinto. Não somos salvos puxando-nos para cima. O pecador caído não é um homem que está se afogando e precisa apenas fazer sua parte estendendo a mão para agarrar o salva-vidas lançado por Deus. Não, o pecador está em uma condição muito mais séria. Ele não pode pegar um colete salva-vidas porque não está apenas se afogando. Ele é um cadáver frio, morto e sem vida no fundo do mar. Se ele quiser ser salvo, não será capaz de cooperar com Deus. Sua salvação será um ato de pura graça, e somente graça, da parte de Deus (Ef 2: 8).

4º Sola: Solus Christus

Quando discutimos o slogan da Reforma, Solus Christus, é importante entender o ponto preciso da disputa. Os reformadores não rejeitaram a doutrina da Igreja Católica Romana sobre a pessoa de Cristo. O trinitarismo niceno e a cristologia calcedoniana não eram o problema, e os teólogos das igrejas reformadas prontamente usaram os argumentos bíblicos e teológicos de teólogos patrísticos e medievais para defender o trinitarismo e a cristologia tradicionais.

O problema, então, não era a pessoa de Cristo. O problema era a obra de Cristo. O debate centrou-se no sistema sacramental que Roma havia construído, um sistema no qual a graça de Cristo era mediada para o povo por meio de um elaborado sistema de sacerdotes e obras sacramentais. Por meio desse sistema sacramental, a igreja romana controlava efetivamente a vida do cristão desde o nascimento (batismo) até a morte (extrema unção) e até mesmo depois (missas pelos mortos).

Martinho Lutero e outros reformadores perceberam que esse elaborado sistema de obras obscurecia a pessoa e a obra de Cristo, pois era tão claramente ensinado nas Escrituras. Lutero argumentou que o papado, por meio desse sistema sacramental, usurpou as prerrogativas de Cristo, tornando-se dispensador da graça de Deus. Somente Cristo, e não a igreja, é nosso único Mediador. Como Huldrych Zwingli proclamou: “Cristo é o único meio de salvação para todos os que foram, são ou existirão”.

No artigo 54 de seus sessenta e sete artigos(1523), Zwínglio explicitamente contrasta a visão sacramentalista romana com Solus Christus: “Cristo suportou todas as nossas dores e sofrimentos. Portanto, quem atribui às obras de penitência o que é somente de Cristo, erra e blasfema contra Deus “.

A Confissão de Fé de Westminster afirma que somente Cristo é o objeto de nossa fé: “os principais atos da fé salvadora são aceitar, receber e repousar somente em Cristo para justificação, santificação e vida eterna, em virtude da aliança da graça” (XIV.2).

Os reformadores e seus herdeiros tinham a intenção de proclamar Jesus Cristo e Ele crucificado (1 Co 2:2). Eles reconheceram que, porque Cristo é o único meio de salvação para o homem, Ele é o centro da mensagem da Bíblia (At 4:12). Seus livros eram centrados em Cristo. Seus sermões eram centrados em Cristo. Sua adoração era centrada em Cristo. Tudo isso contrastava fortemente com a religião centrada no homem do catolicismo romano da Idade Média tardia. Se quisermos ver uma espiritualidade sadia em nossos dias, também devemos crer e confessar a doutrina bíblica do Solus Christus.

5º Sola: Soli Deo Gloria

Soli Deo gloria não é precisamente paralelo aos outros quatro solas porque, em certo sentido, é o início e o fim dos outros quatro. O Espírito Santo inspirou as Escrituras apenas para a glória de Deus. Cristo se humilhou até a morte e foi ressuscitado e exaltado à destra do Pai, somente para a glória de Deus. Graça e misericórdia são oferecidas aos pecadores rebeldes somente para a glória de Deus. A justificação é pela fé somente para a glória de Deus. Soli Deo gloria, portanto, é central.

É importante entender que quando falamos sobre a glória de Deus, estamos falando antes de mais nada sobre um atributo de Deus. Como a Confissão de Fé de Westminster explica: “Deus tem toda a vida, glória, bondade, bem-aventurança em e de Si mesmo.” Ele é o Deus da glória (At 7:2). Ele também manifesta Sua glória nas obras de criação e redenção, mais significativamente na pessoa e obra de Jesus Cristo, o Senhor da glória (1 Co 2:8).

Deus também se glorifica na igreja e por meio dela. Nós, como crentes, somos chamados a fazer tudo o que fazemos para a glória de Deus (1 Co 10:31). Devemos usar nossos dons para servir uns aos outros “a fim de que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo” (1 Pe 4:10-11). Os Salmos estão repletos do início ao fim com atribuições de louvor à glória de Deus, e isso demonstra onde deve estar o foco da adoração da igreja. Adoração não existe para nosso entretenimento. A adoração existe apenas para a glória de Deus.

A redescoberta dos cinco solas da Reforma é uma parte importante para voltar ao caminho certo.

Se você gostou deste conteúdo, clique em curtir ou gostei, deixe o seu comentário e compartilhe com seus amigos e irmãos.

Agora eu lhe pergunto!

Você Deseja Aprender Mais Sobre as 5 Solas e Todas as Doutrinas Fundamentais da Fé Cristã?

Você gostaria de estudar e conhecer com muito mais profundidade as doutrinas do Cristianismo defendidas pelos Reformadores?

Se você deseja desenvolver ainda mais o seu conhecimento, a sua vocação e estar melhor preparado para atuar na igreja, então escolha e inscreva-se nos mais completos cursos de Teologia à distância que estão disponível hoje para você.

Básico em Teologia

Avançado em Teologia

Mestrado em Teologia

Doutorado em Teologia

Pacotão de Teologia (com todos os cursos inclusos)

Seja bem-vindo e bons estudos!

 

Aproveite e compartilhe este conteúdo!

Links Recomendados!

Deixe Seu Comentário!

Participe com sua opinião ou questionamento e vamos crescer juntos.

Você deseja entender a Bíblia mais rápido?

Clique no botão abaixo.
Em 2 minutos você vai receber um Guia de Estudos Bíblicos!

Porque Estudar no Instituto Logos?

Somos uma escola completa de Cursos Bíblicos e Teológicos 100% Online para formação de homens e mulheres comprometidos com a Palavra de Deus. Nossa missão é ajudar você aprofundar seu conhecimento para aplicar na pregação, no ensino, no ministério pastoral, no evangelismo, na liderança…!

Temos irmãos e irmãs de todas as igrejas evangélicas estudando a Bíblia conosco!

Porque Somos Reconhecidos?

O Instituto de Teologia Logos tem alcançado Reconhecimento Eclesiástico e Ministerial de todas as igrejas evangélicas no Brasil e em outros países.

Estamos entre os institutos mais lembrados por pastores, líderes e cristãos que desejam aprender da Bíblia e da Teologia.

Nosso compromisso é levar até você o conhecimento aprofundado da Palavra de Deus e da Teologia.

Quer receber esses Livros Grátis?

Guia da Teologia

Você deseja entender a Bíblia com muito mais profundidade?

Nós temos cursos com conteúdo de alto nível para você alcançar a profundidade da Palavra de Deus!

CURSOS ACEITOS EM TODAS AS IGREJAS EVANGÉLICAS!

Pacotão de Teologia

COMBO Pacotão de Teologia Avançada!

A Mais Completa Formação em Teologia com 6 Cursos + Certificados + Históricos + Credencial + BÔNUS exclusivos.

PESQUISA UNGIDA!

Qual é a sua Formação Teológica?

Escolha uma opção abaixo!

Doutor em Teologia - popup
Parabéns!
Você DESBLOQUEOU um Desconto Especial para começar ainda hoje seu curso de Doutor Teologia.